quinta-feira, 22 de julho de 2010

OS ÚLTIMOS DESEJOS DE ALEXANDRE

OS 3 ÚLTIMOS DESEJOS
DE ALEXANDRE , O GRANDE:

1: que seu caixão fosse transportado
pelas mãos de médicos da época.

2: que fosse espalhado no caminho
até seu túmulo os seus tesouros.
como prata, ouro e pedras preciosas.

3: que suas duas mãos fossem
deixadas balançando no ar
durante o trajeto, á vista de todos.

um dos seus generais, intrigado, perguntou
a alexandre quais as razões desses pedidos
e ele explicou :

1: quero que os mais iminentes médicos
carreguem meu caixão para mostrar
que eles não têm poder de cura perante
a morte;

2:quero que o chão seja coberto pelos
meus tesouros para que as pessoas vejam
que os bens aqui conquistados
aqui permanecem;

3:quero que minhas mãos balancem
ao vento para que as pessoas possam ver
que de mãos vazias viemos,
e de mãos vazias partiremos.

22 comentários:

Si Fernandes disse...

Vi essa frase no filme, achei perfeita, se tratando de Alexandre Magno.
É incrível, a falta de controle que temos sobre nós mesmo, não é?

Beijos!

Dica Cardoso disse...

Passando por aqui e desejando uma ótima semana que vem!(rs)
Abraços no coração!

Jaciara disse...

Passando por aqui para deixar um abraço e pedir para que um dia poste um poema seu que fale de um amor amigo não correspondido.Beijos

Sil.. disse...

Lindoooooooooooo isso...e verdadeiro né?

Moisés, tava com saudade de você moço querido!

Um abraço grande!!!!

Solange disse...

Fantástico !

Chego aqui e já encontro essa grande lição... é... a vida é mesmo o caminhar !

muito obrigada... e parabéns pela escolha !

beijo

Felicidade Clandestina disse...

meu caro,
seja sempre bem-vindo no meu Reino.


obrigada pela amável visita :)
abração!

Mah Silveira disse...

Nossa!! Totalmente verdade o que Alexandre deixou de ensinamento!
Obrigada por passar no meu blog Moisés!
Bjoooo!

Si Fernandes disse...

POETA BOM, MEU BEM, VIM AGRADECER SEU COMENTÁRIO NO PAPO LITERÁRIO, SUA PRESENÇA LÁ É SEMPRE MUITO AGRADÁVEL E ENRIQUECEDORA.

BEIJOS!

Ludmila Ferreira disse...

Moises... obrigadaa pela força...

Um forte abraçoo!

^^

LC disse...

Olá Moisés, vim retribuir a gentil visita ao Escritos na Memória.

Muito interessante essa apologia, e porque não dizer inteligente e real?

Lembrou-me o título de um livro que li há tempos: VIM NU!
É bem isso, em outras palavras né?

beijão e até mais!

Lu C.

Juliana Lira disse...

Incrível não é?

Ou talvez não,acho que é isso mesmo...Nós passamos pela vida pensando em levar algo dela, mas na realidade o propósito da nossa existência não é levar nada, é deixar!

Deixamos muito de nós para aqueles que ficam...

Saudades de vc poeta!

Milhões de beijos

Danilo de Abreu Lima disse...

moissés,
obarigado pelas visitas e coimentários no atipoesia-
e paraabéns pelos textos intewressantes e belos que vc. ´posta aqui- continuemos nos lendo- é muito bom!
dasnilo.

Grafite disse...

incrível!
ótimo post...

beiijo,
*.*

Angélica Lins disse...

Interessante reflexão.
Parabéns pelo espaço!


Abraço!

CYWMARA WADISQUY disse...

NOSSA...momento reflexão...NUNCA TINHA OUVIDO ESSA HISTORIA...ADOREII

XEROOOO

Fátima disse...

Poeta!
Ensinamento, uma visão realista, gosto disso.

Beijo meu

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Teatro da Vida. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Betha Mendes disse...

Oi, Moisés,

que lindo... que bom que as lições podem ser compartilhadas. Amei!!!

um abração

Vanuza Pantaleão disse...

Primeira vez por aqui e aprendendo com os antigos Princípios Eternos.

Gostei muito!
Boa semana!

Vanuza Pantaleão disse...

Se todos os poderosos aprendessem essa lição...

Carinhoso abraço, Moisés!!!

Pétala_Rosadinha disse...

Uma lição a ser aprendida não apenas pelos poderosos, mas por todas as pessoas, cidadãos comuns. Quem sabe tendo real ciência de que não somos infalíveis, que na verdade o que pensamos poder é apenas ilusão egocêntrica, talvez a humanidade pudesse ser menos medíocre...aí sim faríamos um mundo melhor.
Mas são apenas palavras...por mim totalmente desacreditadas.

Abraços!

Cristina Lira disse...

Olá Moisés!
Antes de mais nada, parabéns, me encantei muito por este espaço! E os textos que li...sem cometários, excelentes, resumo!
Os últimos desejos de Alexandre! Todos os anos no inicio do ano leio este texto para meus alunos, para mostrar que a vida é tudo que temos de valioso e é perda de tempo sair por ai construindo castelos de areia, pois o tempo os leva...Olha só Moisés, pra vc ver o poder das palavras, o Alexandre se foi, mas suas ultimas palavras soam até hj como uma poesia que não cansam de repetir...Bom, parabéns mais uma vez e obg pela sua visita e por ter se instalado por lá,rs, fiquei feliz, já que meu blog é novo..fica a vontade pra me visitar sempre! Grande abraço pra ti Moisés, fica na paz!