quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O BAILARINO DOS ANDAIMES

ja é noite , e a rima do operário...insiste.

por sobre o andaime
seu suor lava os defeitos incultos da sua palavra.

ele é o vento que gira o moinho
na pausa heróica da fome.

para ele é preciso a diciplina nos braços
zangar-se do sono e fugir do assédio da dor,
que vem pela fratura da alma.

é preciso traquejo , força...
gana no preparo da causa.
alinhar com pressa suas selas de montaria.
jurar de morte o medo que se avizinha.

o operario dos andaimes
bebe o descanso na trégua da dança.
em goles minúsculos e com a efervescência
dos afogados.

ele bebe o liquido dos aflitos,
esmiuçado nas exigências da barriga.

para ele
tudo é véspera de cimento na parede.
mas ele sabe que seu tempo é breve
e que nossa pele sempre soube dar
lições de despedida.

tem pés e mãos cozidos no cimento.

e uma certeza perpetuada nos ossos:

viver ,
desde a semente,
é ter o cheiro da luta
impregnado no corpo.




(moisés poeta)






16 comentários:

Pétala_Rosadinha disse...

Muito bem retratada a "lida" dos bailarinos dos andaimes, que fazem as selvas de pedra crescerem a cada dia.

Quando os vejo, nas ruas, bailando nos andaimes, me compadeço, admiro, respeito...

Montão de beijos,
te cuida!

Pedro Du Bois disse...

Caro Poeta, seus versos são pertinentes do ponto de vista poético. Parabéns. Abraços, Pedro.

Tania Nascimento dos Anjos [Taninha Nascimento] disse...

Retribuindo a visita...

... Parabéns pelo conteúdo do blog!
Demais!!

Nada mais metafísico que a poesia do cotidiano.

Um abraço,
Taninha

Lia disse...

A vida é breve, verdade indubitável!

Gostei daqui!
Bom começo de semana!
bjos

Lia disse...

tem um selinho pra vc no meu blog!

Patrick Alves disse...

mano curti o teu blog!! parabens achei ele nos destaques no gazeta !!
vou passar sempre aki
grande abraço
patrick alves
http://acoordesparavida.blogspot.com/

Adriana Karnal disse...

Gostei de teu blog. Poema muito forte, e mesmo assim sensível.

Lou Vilela disse...

Desde o título, uma belíssima construção. Coisa de gente grande! ;)

Beijos

Whesley Fagliari disse...

Caro Moisés,

Muito obrigado pela visita e pelos elogios... Vim te conhecer... saber dos sabores que te inspiram.. E saiba que encontrei versos por demais inteligentes e repletos de sentimentos... Parabéns!!!

Luz e Paz!!!

Com apreço sincero,
Whesley Fagliari - Amigo da Sofia

Fouad Talal disse...

Duro.

como os muros que o operário constrói sem saber que eles são a marca de sua segregação.

Um abraço!
www.versosdecor.blogspot.com

Lara Amaral disse...

A labuta é que leva ao ápice, tanto na vida, como na poesia bem arquitetada.

Adorei sua construção!

Beijos.

Sandra Botelho disse...

viver ,
desde a semente,
é ter o cheiro da luta
impregnado no corpo.

E a vida, é uma constante , ardua e maravilhosa luta.
Belissimo poema.
Bjos achocolatados

Danilo de Abreu Lima disse...

moisés,
fiquei feliz com sua visita e comentários- também gostei do seu blog e do seu poema- é forte, é cponcreto, é pesado como a vida e como a sina desses homens que vivem apenas do básico- sua poesia humanitária e engajada- muito boa...
vamos continuar nos lenmdo po9r aí...
abraços do poetamigo
danilo.

ONG ALERTA disse...

Forte mas verdadeiro, são trabalhadores que merecem nosso respeito, paz.

Edgard ♠♦O Pierrot♥♣ Antonello disse...

Nossa seu blog é muito bom. Encontrei textos aqui que me surpreenderam. Meus sinceros parabéns! Vou seguir ok? Dá uma passada no meu depois, axo que vc vai gostar bastante. Segue se possivel rs :p

Vencer Barreiras disse...

"viver ,
desde a semente,
é ter o cheiro da luta
impregnado no corpo."

Que lindo!!!!