quinta-feira, 26 de novembro de 2009

LÂMINAS
















O QUE DESMONTA AQUELE CORAÇÃO AMARGURADO
SÃO AS HORAS MARCADAS CORRENDO EM DESALINHO.

NO SONHO SEM PERCURSO
NA ROTA ESTAGNADA...

O QUE DESMONTA AQUELE CORAÇÃO AMARGURADO
É O CAMPO INFÉRTIL DE TODAS AS MANHÃS SEM LUZ.

DE CHÃO RACHADO , DE FENDAS QUE NÃO SE FECHAM.
SEMENTES QUE NÃO GERMINAM...

É O APOIO SUSPENSO DE SUA CAMA FEBRIL.
ONDE REPOUSA AS SUAS AGONIAS.

MAS O QUE MAIS FERE E DESFIGURA
É A DOR DE VER-SE MASTIGANDO OS DIAS.


(Moisés Poeta)

Um comentário:

Milene disse...

Essa imagem que vc postou deveria soar como um soco na boca do estômago de todas as pessoas com um mínimo de sensibilidade.
Não são imagens remotas, de um tempo distante...
Infelizmente, no meu Nordeste querido, ainda há muita gente padecendo por causa da escassez de chuva.
Estão abandonados à própria sorte, excluídos, marginalizados,
Esperando apenas que o céu literalmente mande uma ajuda.
Continue com suas poesias densas, intensas, contundentes...
Mostre-nos, mesmo quando nao quisermos enxergar, que esse nosso mundo nao tem nada de cor-de-rosa...
Possui cores que a cada dia escurecem mais.
Beijo, poeta.